Home
Atenas
Creta
Mykonos
Santorini
Mapas
Clima
Dicas
História
Transportes
Seguro de Viagem
 
 

 

 

     

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    HISTÓRIA DA GRÉCIA   

    Antiguidade   

 

A antiga Grécia Continental fazia limites com a Ilíria a norte, a leste com o Egeu, a oeste com o mar Jónico, e a sul com o Mediterrâneo. Tinha mais de 100 000 km². Herdeira da Grécia Antiga, a nação grega moderna tem uma longa e rica história durante o qual estendeu sua influência ao longo de três continentes: Europa, Ásia e África. O litoral do Egeu foi o cenário do surgimento de algumas das primeiras civilizações da Europa, como a minoica (em memória do lendário Rei Minos) e a micênica.19

Foi nesse pequeno país que a civilização ocidental começou há mais de dois mil e oitocentos anos. Naquele tempo a civilização grega estava dividida em cidades-Estado (pólis) que dominavam grandes áreas das margens do Mediterrâneo e do mar Negro. Após seu desaparecimento, ressurgiu em torno de 700. a.C., até ser conquistada militarmente por Roma em 168 a.C.

No entanto, a superioridade da cultura grega gerou uma profunda influência na cultura romana, por isso o filósofo Horácio fez a seguinte afirmação: Graecia capta ferum victorem cepit (em português: "A Grécia, embora capturada, manteve seu selvagem conquistador em cativeiro"). Na verdade, na parte oriental do império, a língua e a cultura gregas continuaram a ser muito influentes na sociedade.

O Império Bizantino estabeleceu-se como um dos maiores impérios da história da Europa e abrangia um território que ia do Mar Adriático e ao sul da Itália e o Oriente Médio. Constantinopla se destacou como uma segunda Roma como o centro herdeiro das civilizações da Grécia e da Roma antigas. O império grego de Bizâncio também foi um dos impérios mais longevos da história: existiu durante mais de 1000 anos, do século V ao XV.

    Período contemporâneo   

Após a Queda de Constantinopla, a capital do antigo Império, os otomanos invadiram a Grécia, assim como o resto da Península Balcânica. Os gregos viveram por 350 anos sob domínio turco, que terminou em 1821, com a Guerra da Independência Grega.

Ao recuperar a independência em parte do seu território, a Grécia tornou-se um Estado europeu moderno, sendo o nobre Ioannis Kapodistrias o primeiro-ministro da Grécia moderna. No final do século XIX, os gregos continuaram a batalha contra os turcos para continuar liberando territórios anteriormente ocupados, como Tessália e Epiro. Durante as Guerras dos Balcãs, a Grécia conseguiu também recuperar a Trácia e a Macedônia. Em 1922, a invasão grega da Ásia Menor durante a Guerra Grego-Turca, no entanto, acabou com a derrota e expulsão de 1,5 milhões de gregos, terminando com 4000 anos de presença grega ininterrupta no leste do mar Egeu.

Durante a década de 1930, a Grécia foi arrastada ao fascismo através do ditador Ioánnis Metaxás. Durante a Segunda Guerra Mundial, o país foi ocupado pelas Potências do Eixo (Alemanha nazista e Itália fascista) e nela estabeleceu-se um governo colaboracionista. A ocupação nazista foi seguida pela Guerra Civil Grega, que terminou em 1949.27

Em 1952, o país aderiu à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN ou NATO) e, em 1981, à União Europeia (UE). Atualmente, a nação grega é definida como uma república parlamentar democrática que alcançou um desenvolvimento econômico e social considerável.

Em 2010 a Grécia, já castigada pela crise financeira de 2008-2009, foi o protagonista de uma crise de confiança que se espalhou por toda a União Europeia. O país então viu o crescente interesse que os investidores exigiram para comprar sua dívida e foi forçado a realizar reformas fiscais destinadas a reduzir o seu défice à custa do crescimento econômico e do perigo de uma recaída na recessão, correndo o risco de ter que sair da zona euro.

 

Fonte: wikipedia.com